jusbrasil.com.br
19 de Janeiro de 2019

O malabarismo de advogar.

Ana Paula, Advogado
Publicado por Ana Paula
há 10 meses

O malabarismo de advogar. Esses dias tenho me sentido cansada da única coisa que sou eternamente apaixonada: a advocacia.

Calma, eu explico. Advogar não é uma profissão comum, não é daquelas profissões que sempre seguem o roteiro. Advogar é uma surpresa diária.

Advocacia não é ditada pelo esforço, é pela esperteza e bajulação, artes que me nego a usar. OBS: esperteza no mau sentido.

É complicado captar clientes, quando o seu colega igonora a tabela da OAB - CE e faz um divórcio consensual ou usucapião extrajudicial por R$ 1.000,00.

É difícil ver um escritório de outro Estado contratar advogado correspondente para ser preposto pela bagatela de R$ 30,00, porque as diligências serão no "atacado".

Complicado ver a OAB só se posicionar em casos midiáticos, como se fosse expert na arte da politicagem, movendo a máquina de defesa dos advogados para patrocinar causa própria de seus gestores.

Impossível aprender nos anos de estudos o ser pedinte, pede ao servidor, ao chefe de secretaria ao juiz quando encontrado.

É tenso ver seu cliente algemado no seu interrogatório, pq o Estado não tem "policiamento".

É desgastante você doar-se a uma causa e na hora do cliente pagar seus honorários lhe ver como o diabo, e é mais difícil ainda aguentar piada de um juiz ou gerente do banco que você vai levantar o alvará com seus honorários sucumbenciais, pq eles acham que é demais o valor. Mal sabem que ali são 5, 10 ou 15 anos de empenho.

Por isso, às vezes estou cansada. Mas ainda apaixonada! Apaixonada pelo sorriso e lágrimas de felicidade de quem tem seu direito garantido.

Ana Paula C. A. M. Sousa

8 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Excelente texto que relata a realidade da advocacia, sem a glamourização que muitos pintam. É duro ser advogado. Vejo muitos colegas que se submetem a valores irrisórios e advogam quase sempre com a famigerada cláusula “ad êxitum”, o que pra mim é uma afronta. Não se valorizam e fazem pouco do tempo despendido em cada causa, do tempo que tem que estudar para confeccionar uma peça técnica, que forme o convencimento do magistrado. Quase nunca faço essas diligências de sites de correspondentes, pois o valor que os escritórios querem pagar são ridículos, mas infelizmente há advogados que se submetem. É necessário que parte da classe entenda que tem que se valorizar e valorizar o seu trabalho, os anos de formação. Com relação aos servidores, creio que todos passamos por isso, sermos “pedintes”, dependendo da boa vontade dos magistrados e servidores, quando estes lá estão. Se buscamos o confronto, ficamos “queimados” na Vara, aí pode esperar sentado, que o processo se arrastará por mais tempo ainda, como se já fosse pouco o tempo natural “da razoável duração do processo”. Necessário mudar essa cultura, mas creio que isso será somente a longo prazo, com uma mudança nas bases educacionais. Também devemos fazer uma mea culpa, pois a classe ae sujeira a humilhações de servidores, juízes e etc, sem questionar, por medo de represálias. Não é diferente com relação aos honorários. Já ouvi colegas dizerem que têm “vergonha” de cobrar um valor maior, mais justo! Isso é inacreditável. continuar lendo

Perfeita a explanação Drª. Sou advogada iniciante e tenho as mesmas percepções. Não existe trabalho fácil na advocacia, mas o mais revoltante é o aviltamento dos honorários, considerando principalmente os sites de correspondências. Difícil não é trabalhar, mas ter que ouvir que seu honorário é muito alto e que tem quem faça o mesmo serviço por menos da metade do preço. Difícil é pagar mensalidade em site de correspondência que permite o leilão de honorários e, se ver nunca contratado por valorizar seus anos de estudos e dedicação. continuar lendo

Nossa, retratastes a realidade da advocacia. Seguidamente escuto desabafo dos colegas, incluindo o meu também.

Uma das melhores coisas que fiz (tratando-se de saúde mental :) ), foi não dialogar no Wats, simplesmente pedir para conversar olho no olho do cliente.

Adoro o que faço, e aprendo a cada dia, porém...teu texto explica melhor como concluo o raciocínio.

Grande Abraço,
Pacheco continuar lendo

Os valores pagos por diligências são uma afronta ao advogado. Nunca fiz e tampouco farei.
Nunca exponha para a pessoa que vai te consultar qual será a tua estratégia para defendê-lo, principalmente antes de ser contratado. Se fizer isso, pode ter certeza que ele vai procurar um advogado que cobra valor inferior dos honorários.
Consulta por WhatsApp ou telefone, nem pensar e se o cliente tiver muita urgência, prefiro não patrocinar porque não faço nada com pressa.
Ficha de atendimento ao cliente constando todos os aspectos da causa com a assinatura dele no final, é importante também. Claro que não vai juntar isso nos autos, mas é bom para se resguardar no caso do cliente querer mudar o foco da causa depois de ajuizada, porque você tem todos os dados do que realmente foi conversado antes da contratação. continuar lendo

Aprendi da pior maneira que expor a estratégia é uma furada! Excelente comentário. continuar lendo